Equipamento de Proteção Individual (EPI) - Parte I

Desde 1974, o CDC - Center for Disease Control and Prevention/USA edita classificações de agentes etiológicos com base no risco e os procedimentos a serem seguidos nas instituições de saúde e laboratórios. Em 1987, o CDC modificou, em seu manual de isolamento, a terminologia “precauções com sangue e secreções” para “precauções universais”, o que implicou no uso de Equipamento de Proteção Individual (EPI) na assistência a todo e qualquer paciente, independentemente do seu estado infeccioso.

O Equipamento de Proteção Individual (EPI) é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho. [ANVISA-2006].

Sabe-se que o EPI é efetivo apenas se for usado corretamente, sempre de acordo com as orientações do fabricante e seguindo um padrão de uso: quando usá-lo, como usá-lo, como removê-lo e em quantidade suficiente para ser utilizado. O uso de EPI é indicado durante o atendimento ao paciente, nos procedimentos de limpeza do ambiente e no reprocessamento dos artigos e devem ser usados exclusivamente nas áreas de trabalho. O EPI é uma barreira mecânica que evita o contato com matéria orgânica e fluidos.

São considerados EPIs: gorro, óculos, máscaras, luvas, aventais e propés.

O responsável técnico pelo serviço odontológico deverá providenciar a aquisição dos EPIs e orientar a equipe quanto aos tipos e as indicações de uso.

Deve-se trocar todo EPI após procedimentos críticos como: cirurgias, endodontia, periodontia, etc.

EPIs usados na clínica diária:

Gorro
É importante o uso do gorro para proteção dos cabelos pela contaminação dos aerossóis, corpos estranhos, contaminação do próprio couro cabeludo. O gorro dever ser descartável e quando se apresentar sujo com material orgânico, deve ser substituído. É importante que o gorro cubra todo o cabelo do profissional.

Óculos
O uso do óculos de proteção também é muito importante, principalmente nas manobras em que há produção de aerossóis, visto que a conjuntiva do olho apresenta menor barreira de proteção que a pele.

Além de proteger contra os microorganismos e evitar traumas de vários tipos, os óculos evitam que o indivíduo toque nos olhos carregando contaminações. Os óculos deverão ser os mais fechados possíveis e de boa qualidade ótica. Esta proteção deverá ser usada pelo CD, pelo pessoal auxiliar quando em procedimento e no processamento dos materiais: limpeza e desinfecção.

Para o uso do fotopolimerizador o profissional e o paciente deverão usar óculos com lentes de cor alaranjada.

Para o uso do laser é imprescindível que todas as pessoas presentes no ambiente usem óculos de proteção próprio.

Continua: EPI – Parte II - Próximo post dia 03/05/2010.

posted under |

4 comentários:

Leonardo disse...

Todos os pacientes devem prestar atenção nessas dicas, pois são fundamentais para a proteção do paciente e dentista.

Amandita disse...

A biossegurança é tão importante para o profissional quanto para o paciente. Ser um Dentista Limpo é ser consciente do seu papel enquanto profissional da área da saúde.

Fabio Antunes disse...

Como pensar que um profissional de saúde que não observa as regras de proteção individual, pode estar preocupado com a segurança do seu paciente?
Pense nisso!
Abraços e parabéns pelo blog!

Cinthya Lanzoni disse...

Sou leiga no assunto, mas tenho aprendendo várias novidades com a Liga do dentista limpo....

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Início